ENRIQUE NUERE Prémio Rafael Manzano 2016

Em 2016, o quinto Prémio Rafael Manzano de Nova Arquitectura foi concedido a Enrique Nuere, quem não só se destacou pelo seu magnífico trabalho restaurando tectos tradicionais e desenhando outros novos, como foi, graças a ele, possível recuperar os conhecimentos de um ofício cujos pormenores, codificados antes de ser esquecidos, ninguém tinha até então conseguido desvendar ou sequer revitalizar, tanto no ensino e na investigação como na própria prática profissional. Hoje são numerosos os estudiosos e artesãos que se ocupam desta técnica tradicional percorrendo o caminho por ele redescoberto e ativamente difundido.

VIDEO APRESENTAÇÃO DE ENRIQUE NUERE E A SUA OBRA

VIdeo realizado por Irene Pérez-Porro Stillman apresentando a obra de Enrique Nuere, graças à qual foi galardoado com o Prémio Rafael Manzano 2016

Biografia

Enrique Nuere Matauco nasceu em Valência em 1938. É arquitecto formado na Escola Superior de Arquitectura de Madrid em 1962 e concluiu o seu Doutoramento em Arquitectura no ano de 1967. É Académico da Real Academia de Bellas Artes de San Fernando (Madrid), Académico Correspondente da Academia de San Telmo (Málaga), Académico Correspondente da Real Academia de San Miguel Arcángel (Santa Cruz de Tenerife), Membro da Academia del Partal, associação livre de profissionais da restauração de monumentos e Vogal do Patronato de la Alhambra y Generalife (1986-1995).

Carpintaria histórica

Com a independência trazida graças ao exercício livre da profissão, a partir da investigação em 1980 sobre o manuscrito de La carpintería de lo blanco, de Diego López de Arenas, inicia a sua atividade restauradora do património arquitectónico monumental. Desde a década de 80 do século passado que dedica maioritariamente a sua atividade à restauração monumental e à atividade docente, com uma especial dedicação à carpintaria histórica. Os seus trabalhos e investigações permitiram recuperar o saber sobre este tema que se tinha perdido no século XVIII. Com o objetivo de difundir as suas descobertas e de evitar que estes conhecimentos voltem a ser esquecidos, dedicou-se muito ativamente ao ensino do ofício, formando toda uma nova geração de carpinteiros de “lo blanco”, e escreveu numerosos livros e artigos nos quais revela os seus princípios anteriormente escondidos. Entre estas publicações destacam-se: La carpintería de lo blanco. Lectura dibujada del primer manuscrito de López de Arenas (1985), La carpintería de armar española (1989, com uma segunda edição revista e ampliada em 2000), La carpintería de lazo. Lectura dibujada del manuscrito de Fray Andrés de San Miguel (1990) e Nuevo tratado de la carpintería de lo blanco, con la verdadera historia de Enrique Garavato, carpintero de “lo blanco” y maestro del oficio (2001).

O trabalho de restauração e novas obras

Entre os seus trabalhos de restauração, excluindo as numerosas abóbadas em igrejas e conventos por toda a Espanha, cabe destacar os seguintes:
– As dezassete abóbadas recuperadas para o Museo Nacional de Arte Hispanomusulmán de la Alhambra.
– A abóbada do Paraninfo da Universidad de Alcalá de Henares.
– As seis do Palácio Ducal de Pastrana.
– As catorze do Palácio de Miguel de Mañara em Sevilla.
– As trinta e quatro do Palácio Buenavista de Málaga, renomeado como Museo Picasso.
– As seis do Palácio Villalón de Málaga, renomeado como Museo Thyssen.
Também realizou um importante trabalho desenhando e construindo novas estruturas de madeira tanto em edificios de raíz como em edificios históricos. Bons exemplos disso são as novas abóbadas das galerias do pátio do Alcázar de Toledo, a recuperação do capitel da igreja de La Solana, ou a desmontagem, transporte e colocação posterior no Museo del Prado de Madrid, do teto do coro da igreja de Valencia de Don Juan.

Distinções

Com este trabalho, além de ser galardoado com o Prémio Rafael Manzano 2016, também obteve vários reconhecimentos públicos de onde se destacam: Prémio de Investigação del Colegio Oficial de Arquitectos de Madrid (1980), Prémio Nacional de Artesanía y Premio Marqués de Lozoya (1981), Prémio Europa Nostra pela intervenção no Convento de Santa Clara de Salamanca (1988), Prémio de Investigación del Colegio Oficial de Arquitectos de Madrid (1990), Prémio Europa Nostra pela participação na restauração do Paraninfo da Universidade de Alcalá (1995), Prémio Internacional de Investigação García Diego (2001), Prémio da Fundación Juanelo Turriano (2006) e Prémio CICOP (Centro Internacional para a Conservação do Património) na sua categoria “Património Arquitectónico” (2006).

Imagens

Convento de las Claras, Salamanca
Paraninfo de la Universidad de Alcalá
Museo Picasso, Málaga
Museo Thyssen, Málaga
Nova construção
Estudos e desenhos

Cerimónia de entrega del Premio Rafael Manzano 2016

Ato celebrado na Real Academia de Bellas Artes de San Fernando (Madrid) em outubro de 2016.

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies