Prémio Rafael Manzano de Nova Arquitectura Tradicional

Apresentação

Prémio de Arquitectura Tradicional

O Prémio Rafael Manzano de Nova Arquitectura Tradicional tem como finalidade difundir o valor da Arquitectura clássica e tradicional como referente de validação da Arquitectura do nosso tempo, no âmbito territorial de Espanha e Portugal. Esta difusão centra-se tanto na restauração de monumentos e conjuntos urbanos de valor histórico e artístico como na construção nova, que tendo em conta as tradições locais sejam capazes de integrar-se de forma harmoniosa nos referidos conjuntos.

 

Quem o Convoca e Organiza

O Prémio é convocado pelo International Network for Traditional Building, Architecture and Urbanism (INTBAU), graças à contribuição do Richard H. Driehaus Charitable Lead Trust, através de um donativo da Chicago Community Foundation para o Richard H. Driehaus Charitable Fund, e da Fundación EKABA, e ao apoio da Fundação Serra Henriques, da Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, do Consejo Superior de Colegios de Arquitectos de España e da Hispania Nostra e com o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República de Portugal.

A quem se premeia?

Este prémio distingue-se de muitos outros por não ter como finalidade premiar os arquitectos cujas obras representem as últimas tendências arquitectónicas nem aqueles cujas intervenções sejam transformações vanguardistas do nosso património, mas sim aqueles que ao longo da sua carreira profissional tenham contribuído com a sua obra para a conservação e adaptação às necessidades contemporâneas das tradições construtivas, arquitectónicas e urbanas próprias dos lugares onde tenham intervido.
São, deste modo, profissionais que, longe de procurar notoriedade e novidade com a sua atuação, desempenham um importante trabalho que passa frequentemente despercebido, dada a sua manifesta continuidade com o passado, sendo pouco valorizado.

 

Com que finalidade?

A instituição deste prémio tem como objetivo reverter esta situação nos dois países, honrando aqueles que têm desempenhado este trabalho e contribuído com ele para promover uma melhor conservação do nosso património arquitectónico e paisagístico, cujas identidades tradicionais únicas se encontram hoje em dia, graças ao avanço da globalização, mais do que nunca ameaçadas.

O Galardão

O Prémio Rafael Manzano, graças à generosidade do empresário Richard H. Driehaus, atribui ao vencedor uma verba de 50.000 euros e uma medalha comemorativa. Foi entregue pela primeira vez a 16 de outubro de 2012 numa sessão solene celebrada na Real Academia de Bellas Artes de San Fernando (Madrid).

Rafael Manzano

O prémio recebe o nome do arquitecto Rafael Manzano Martos, cuja vida profissional foi dedicada à preservação do património arquitectónico e urbano espanhol quer através da restauração, quer do design de novos edifícios tendo como ponto de partida esse patrimonio. Foi, por isso mesmo, em 2010 agraciado com o prémio internacional Richard H. Driehaus, tornado-se o primeiro e, atualmente, o único na Penísula Ibérica a receber este galardão.

Vencedores desde 2012

Na primeira edição o júri decidiu entregar este Prémio ao arquitecto Leopoldo Gil Cornet graças às obras de restauração da Real Colegiata de Roncesvalles (Navarra) que foram levadas a cabo entre 1982 e 2012. Enquanto decorriam estas obras, durante os seus trinta anos de intervenções, o galardoado foi enfrentando e resolvendo com sucesso uma problemática muito variada. Devolveu, assim, ao conjunto e ao local, boa parte da vitalidade perdida contribuindo também para o desenvolvimento sustentável da região e desempenhou desta forma um importante trabalho social.

No ano de 2013 o II Prémio Rafael Manzano de Nova Arquitectura Tradicional foi entregue a Ignacio de Medina y Fernández de Córdoba, Duque de Segorbe, e ao arquitecto Luis Fernando Gómez-Stern pelas suas obras de restauração no amplo conjunto de Arquitectura doméstica hoje conhecido como Casas da Judiaria de Sevilla. Por iniciativa particular de Ignacio de Medina, foram sendo adquiridas e reabilitadas progressivamente casas cuja recuperação era possível levar-se a cabo dado o estado de degradação e abandono a que este bairro fora votado pelas autoridades competentes. As casas nobres e populares foram restauradas com idêntico rigor, sendo estudados e recuperados a sua forma e os acabamentos tradicionais. Desta forma, foi revitalizada e devolvida a beleza original a um bairro característico do centro histórico sevilhano, essencial para se compreender a verdadeira identidade desta cidade.

O Prémio Rafael Manzano 2014 galardoou os arquitectos bilbaínos Javier Cenicacelaya e Íñigo Saloña em reconhecimento pelos seus trabalhos tanto de obra nova como de reabilitação, ao respeitar a paisagem natural e as tradições arquitectónicas dos lugares onde se encontram, e à sua defesa durante décadas das Arquitecturas clássicas e vernáculas com múltiplas conferências, exposições e publicações.

No ano 2015, o vencedor foi Donald Gray que trabalhou durante décadas para manter vivas as tradições arquitectónicas e construtivas de diversas regiões andaluzas, destacando-se os seus trabalhos na Costa del Sol, conjuntos urbanos completos que se erguem hoje em dia como modelos de um desenvolvimento urbano mais racional, belo e sustentável do que aquele que prolifera nas nossas costas. Esteve também à frente de diversas escolas de ofícios artesanais, destacando-se entre elas a experiência de Lebrija nos anos 80 onde se formaram numerosos carpinteiros, pedreiros, ferreiros, jardineiros, ceramistas … e, nos últimos anos, os seus mais diversificados trabalhos tanto de restauração como de edificação nova na La Alpujarra granadina.

Em 2016, o quinto Prémio Rafael Manzano de Nova Arquitectura foi concedido a Enrique Nuere, quem não só se destacou pelo seu magnífico trabalho restaurando tectos tradicionais e desenhando outros novos, como foi, graças a ele, possível recuperar os conhecimentos de um ofício cujos pormenores, codificados antes de ser esquecidos, ninguém tinha até então conseguido desvendar ou sequer revitalizar, tanto no ensino e na investigação como na própria prática profissional. Hoje são numerosos os estudiosos e artesãos que se ocupam desta técnica tradicional percorrendo o caminho por ele redescoberto e ativamente difundido.

O sexto Prémio Rafael Manzano, que em 2017 foi ampliado para incluir o trabalho realizado em Portugal, foi concedido ao arquitecto português José Baganha. A sua trajectória profissional mostra uma firme vontade de preservar e dar continuidade às tradições arquitectónicas das regiões em que trabalhou, bem como actualizá-las, procurando sempre adaptá-las às exigências do nosso tempo. Todo o seu trabalho é um modelo de atenção e respeito pelo contexto, quer este seja mais urbano e clássico ou mais rural e vernáculo. Neste sentido, devem ser destacados os seus estudos sobre a arquitectura tradicional do Alentejo que serviram de base a muitos dos seus projetos construídos nesta região, tão contemporâneos como respeitadores da identidade e cultura locais.

Apresentação o origem do Prémio Rafael Manzano

Rafael Manzano, vencedor do Prémio Internacional Richard H. Driehaus de Arquitectura Clássica 2010

Vídeo realizado por Irene Pérez-Porro Stillman
Convocado  por:
Graças à contribuição de:
Com o apoio de:

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies